Mostra dos Residentes

01/07/2017 10:00

VI MOSTRA DOS RESIDENTES

6ª Mostra dos Artistas Residentes do CRDSP

 

71 núcleos artísticos, 51 apresentações de trabalhos cênicos, 24 oficinas, 5 rodas de conversa, 3 exposições e 2 Jams – são estes os números e ações da 6ª Mostra de Residentes, que acontece durante todo o mês de julho de 2017. Distribuída pelos espaços internos do CRDSP, pelo entorno com as intervenções urbanas, o evento expande para novos espaços parceiros, como a Passagem Literária da Consolação, o Parque da Água Branca, o Centro Cultural da Juventude “Ruth Cardoso” e o Teatro de Conteiner Mugunzá, dentro da proposta CRDSP Circula.

 

VI MOSTRA DOS RESIDENTES

Dia 1/07 (sábado) 10h e 13h

Desdobramentos – Mediação Robson Ferraz

Os artistas residentes que apresentaram trabalho no mês passado, participam da ação “Desdobramentos”, encontros abertos para falar dos processos de criação dos trabalhos, procedimentos de pesquisa de corpo, dramaturgia e das motivações e inquietações que impulsionaram e nortearam as criações.

.10h - Desdobramento 1 – Trabalhos em processo de criação: Ricardo Januário “Experimento # 1” e Edson Raphael “Preto”

Duração: 2 horas

.13h - Desdobramento 2 – Trabalhos finalizados: Calu Zabel “O Axexê da Bailarina” e Luciana Hoppe “Bestiário”

 

 

Dia 1 e 08/07 (sábados) das 10h ás 12h

Treino Aberto – Projeto Redes - Zum.boys
(Colaboradores Fomento)

O Zumb.boys vem desenvolvendo, ao longo de quase 10 anos de trajetória, estudos práticos e teóricos, mais especificamente da técnica breaking, como linguagem artística. A partir desses estudos, organizou uma série de procedimentos/ exercícios e propostas relacionadas à técnica, ao corpo e ao espaço, cênicos ou não. O treino aberto tem o desejo de construir um espaço para a prática de breaking, de partilha de conhecimentos técnicos, troca de experiências profissionais e pessoais, para a descoberta conjunta de novos saberes.

 

Projeto contemplado pela 21° Edição do Fomento a Dança.

 

Dia 1/07 (sábado) 11h

Encerramento Ciclo de Aulas

Dança Contemporânea com abordagem em Danças Brasileiras

Orientação Paula Salles

 

Dia 1/07 (sábado) 15h

Esquizopresenças 

Deserto… – Isa Gouvea | Verbar – Mônica Cristina

(Colaboradores Fomento)

 

“Deserto” e “Verbar” são dois estudos coreográficos inspirados em textos selecionados de “Mil Platôs - Capitalismo e Esquizofrenia 2”, de Gilles Deleuze e Félix Guattari.

Em “Deserto...”, Isa Gouvea fala sobre entrega, angústia, perda e transformação, da  busca e um vir a ser imprevisível e em constante mutação. 

Em sua performance, Mônica Cristina experimenta instantes vivenciados da realidade metropolitana visando ‘verbar’ tensões entre a alienação do corpo imerso nas pulsões do tempo cotidiano e cronológico e seu esforço por desmaranhar-se dessas forças.

TAANTEATRO 25 Anos [dez]contaminações -  projeto contemplado pela 20ª Edição do Programa de Fomento à Dança para a Cidade de São Paulo

 

Dia 1/07 (sábado) 16h – Encerramento Ciclo de Aulas

Dança Contemporânea Iniciante

Orientação Janaína Castro

 

Dia 1/07 (sábado) 17h

Encontro Aberto – 30 Minutos

Grupo de Improvisação de Movimentos Maria Duschenes

O Grupo de Improvisação de Movimentos Maria Duschenes existe como uma homenagem a D. Maria Duschenes, que reuniu pessoas e artistas por meio do Pensamento Laban, singularizado e atualizado por seu olhar e por sua maestria.

“Nos encontramos para dançar e nos encontrarmos dançando.”

 

Dia 1/07 (sábado) 17h30

Encerramento Ciclos de aulas

Exibição do vídeo do Atelier de Criação – Orientação Key Sawao

Dança Afro-brasileira – Orientação Priscila Paciência

Danças Brasileiras – Orientação Bárbara Freitas

Dança & BMC – Orientação Letícia Sekito

Laban Orientação Maria Mommensohn

Queda Desorientação e Ascensão no Contato Improvisação – Orientação Ricardo Neves

Dança Moderna - Martha Graham – Orientação Cristiana de Souza

Dramaturgia do Movimento Orientação Vanessa Macedo

Dança Clássica – Uma Abordagem Somática – Orientação Camila Venturelli

Danças Urbanas – Locking – Orientação Darlita Albino

Dança e BMM – Experimentações entre o sensório e o motor – Orientação Nina Giovelli

Dança Contemporânea “O que te Move?” – Orientação Wellington Duarte

Corpo Fora do Eixo – Orientação Cláudia Palma

 

 

Dia 10 (segunda) 14h

Workshop – Gumboot Dance

Rubens Oliveira

O workshop visa introduzir os alunos às técnicas do Gumboot Dance, um estilo de dança da África do Sul, que nasceu no século XIX, nas minas de ouro e diamante. Trabalhadores vindos de sete povoados, falantes de sete dialetos, criaram uma forma de se comunicar através das batidas nas botas, que usavam ao explorarem as minas, que evoluiu para uma dança, carregada de simbologia.

 

Dia 10 (segunda) 14h

Performance#1 Café com elas

Camila Venturelli

Instalada nas ruas do entorno do Centro de Referência da Dança, a performer irá convidar mulheres transeuntes para sentar, tomar café e trocar uma receita. A partir desse assunto inicial, serão convidadas a trocar memórias, gestos e afetos, para continuarem sendo compartilhados com outras mulheres, criando uma rede de cúmplices de saberes.

 

Dia 10 (segunda) 15h

Acampamento Coreográfico: Sobre o que se Deteriorou
Thiane Nascimento e Josefa Pereira

A instalação coreográfica “Sobre o que se deteriorou” investiga como instaurar um campo de ação que constitua um pequeno acampamento coreográfico. Negociações entre corpo e objeto, espaço e tempo deflagram uma tênue linha de tensão [estética-política-poética], composta por um enunciado de gestos como: distribuir, esvaziar e preencher diversos recipientes de vidro extremamente frágeis.

 

Dia 10 (segunda) 18h

Oficina Estados Corporais: um dispositivo para a improvisação e criação em dança

Gabriela Branco

Seis dias de oficina para compartilhar os exercícios trabalhados, estudados e criados para a concepção do espetáculo Antologia de Resiliência. Deseja-se proporcionar um mergulho dançante sobre os estados corporais que surgem de cada participante, a partir da história que cada um carrega, suas memórias, sua esfera pessoal.

 

Dia 10 (segunda) 19h

Oficina – Compartilhando Procedimentos “MO..Ver-se”  

Cia ID’Artê

Formada pelos bailarinos Ricardo Silva e Cléia Plácido, desde 2015, a Cia ID’Artê,

pesquisa uma fisicalidade que integra capoeira, dança contemporânea e contato improvisação, e como conceito, o imaginário, onde estão contidos memórias e mitos da humanidade. Na oficina, partilham treinamento técnico e aspectos e estímulos pesquisados no aprofundamento da linguagem do trabalho “Mo...Ver-se”.

 

Dia 10 (segunda) 19h

Ouvir Beethoven faz as plantas crescerem mais fortes?

Rafael Carrion

O trabalho explora as dúvidas do artista sobre a relevância de permanecer produzindo arte. O corpo, impulsionado por essa questão, cria danças a partir da reverberação de possíveis tentativas de resposta, sempre em busca de novos estímulos capazes de mantê-lo em movimento. O título propõe uma reflexão sobre os esforços em colocar a obra artística num lugar pragmático, que lhe atribui funções e que cria benefícios óbvios para aqueles que dela usufruem.

 

Dia 10 (segunda) 20h

Situação 1

Wellington Duarte

Substância que se desorganizou por atrito ou por qualquer outro motivo. A residência no CRD foi um momento importante para meus estudos de movimento. Vamos experienciar, com um grupo de convidados, especulações do projeto  DeveSerumaCoisAquEnãoSeapreNde, construindo perguntas em situações da fisicalidade: quem percebe e move em nós? A serviço de quem e de que nos deslocamos?

 

Dia 11 (terça) 15h

Mané Boneco

Zumb.boys

Mais recente trabalho de intervenção urbana do grupo Zumb.boys, “Mané Boneco” vem dialogar com a beleza e a simplicidade do brincar. Inspirado no boneco “Mané gostoso”, feito de madeira com pernas e braços articulados e movimentados por cordões, o espetáculo quer fazer divertir, da mesma maneira que ao brincar, livres para viver o encontro. Por meio de códigos simples de fácil reconhecimento, as pessoas são convidadas a compartilhar momentos, brincadeiras e histórias construídas corporalmente. Para a criação o Zumb.boys contou com a participação de Igor Souza [Noroest Gang] e Elzio Vieira [Mad Killa  Crew].

 

Dias: 11 e 18/7 (terça), das 18h às 21h

Oficina O Corpo-Som-do-Ser

Airumã Cia de Dança

Através de exercícios de educação do ouvido, introduções coreográficas, entre outras manifestações poéticas, os(as) participantes são convidados(as) a explorar movimentos, utilizar a voz e o corpo como instrumento, estimulando suas potências criadoras individuais e coletivas, por meio de danças e ritmos brasileiros, alinhados aos quatro principais elementos naturais: terra, fogo, água e ar.

 

 

Dia 11 (terça) 18h30

Intervenção "Paroxismo"

Laia Mora Martinez

Processo de criação baseado na Histéria Feminina de Sigmund Freud.  

Uma representação da evolução da mulher, a relação entre seus direitos e necessidades fisiológicas perante uma sociedade opressora e autoritária. 

 

Dia 11 (terça) 19h

Oficina Modos de Preparo no Cardápio de Dança 

Liga da Dança Dura

A Liga da Dança Dura convida artistas e interessados a improvisar as qualidades de movimento do Cardápio de Dança através dos Modos de Preparo.

 

Dia 11 (terça) 19h

A Atitude Manifesta do Controle

Mainá Santana, Thaís Diniz e Willy Helm

Como as relações de poder presentes na sociedade constroem e controlam os sujeitos? Partindo desse questionamento, os artistas criadores buscam gerar um universo poético inspirado na teoria do filósofo Michael Foucault sobre o tema. Em cena, por meio de jogos de movimento, gestos cotidianos e memórias pessoais e sociais, os corpos se modificam procurando entender como se relacionam com a manutenção do mundo em que vivemos.  

 

Dia 12/07 (quarta) 14h

Performance#1 Café com elas

Camila Venturelli

(Arredores do CRDSP)

Instalada nas ruas do entorno do Centro de Referência da Dança, a performer irá convidar mulheres transeuntes para sentar, tomar café e trocar uma receita. A partir desse assunto inicial, serão convidadas a trocar memórias, gestos e afetos, para continuarem sendo compartilhados com outras mulheres, criando uma rede de cúmplices de saberes.

 

Dia 12/07 (quarta)

Abertura Oficial da Sala de Acervo CRDSP

 

Dia 12/07 (quarta) 15h

Performance  Filosofia do Ralo Cadu Ribeiro (pré estreia)

A performance  tem como poética o romance filosófico ‘O retrato de Dorian Gray’, de Oscar Wilde. O homem-ralo é figuração performática de um dos personagens do romance de Wilde, Basil, o pintor apaixonado de Dorian. Com uma espécie de parangolé de ralos sobre as costas, o artista se locomove com este peso opressor que lhe dá uma corporeidade própria.

 

Dia 12/07 (quarta) 17h

Oficina Movimento, Voz e Escritas de Dança – Bia Rangel

A partir da ampliação do acervo do CRDSP, com a transferência de parte do conjunto que integrava o patrimônio da Sala de Pesquisa e Acervo do Centro de Dança Umberto da Silva, no 2º andar da Galeria Olido, o espaço da biblioteca teve que ser reformulado e as publicações reordenadas e catalogadas para cumprir melhor sua função.

A organização ficou a cargo de Tatiana Cotrim, residente do CRD, que, não por acaso, também organizou o acervo original na Olido. Com cuidado e dedicação, remexeu caixas empoeiradas, higienizou, identificou e avaliou todo o material para guarda ou descarte, e, depois de estudar e elaborar a melhor forma de arranjo para facilitar o acesso pelo pesquisador, finalmente, classificou, numerou e organizou sistematicamente as publicações contribuindo para a racionalização, preservação e eficiência do nosso acervo permanente.

O CRD agradece também a outra residente, Gabriela Branco, que espontaneamente, deu um primeiro passo em direção à implantação desse fluxo organizacional.

 

Dia 12/07 (quarta) 17h

Oficina Movimento, Voz e Escritas de Dança – Bia Rangel

A oficina pretende criar um campo de experimentação das relações entre movimento, escrita e voz. Vamos trabalhar a partir de escritas que tenham feito parte de criações artísticas dos(as) participantes, podendo ser de sua autoria ou não – anotações, textos, desenhos, esboços, partituras coreográficas, roteiros etc. Os(as) participantes podem também escolher trechos escritos que queiram investigar pela primeira vez. Ao final, os participantes são convidados para o experimento cênico Entre Escritas e Danças.

 

Dia 12/07 (quarta) 19h

Oficina de Ballet Clássico

Mônica Caldeira (...Avoa! núcleo artístico)

Sensibilização, barra e centro. A oficina prática aplica as técnicas do Body Mind Movement para construir os princípios da técnica do balé e trabalhar transferência de peso (distribuição e equilíbrio), despertar a consciência do corpo em movimento e adquirir qualidade nos movimentos do balé, de maneira que a disponibilidade e o prazer de dançar permanecem vivos.

Mônica Caldeira é bailarina intérprete-criadora no ...AVOA! núcleo artístico. Graduada em Dança na Universidade Anhembi Morumbi (2013), cursa o programa Educador do Movimento Somático BMM Brasil. Trabalha e estuda no Centro de Estudos e Ensino de Balé (CEEB) e ministra aulas de balé no Espaço Vajra

 

 

Dia 12/07 (quarta) 19h

Ensaio Aberto Carcaça

Edson Calheiros

Num espaço de confinamento, um sujeito se defronta com os desejos e os limites de sua liberdade de ação.

 

 

Dia 13 (quinta) 19h

Falem Comigo

Os Peculiares

“Falem Comigo” nasceu do estudo sobre a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) e a Cultura Surda. Esse universo apresentou a possibilidade de comunicação que é feita através de um bailado expressivo, repleto de símbolos, significados e sentimentos.

Na criação cênica, momentos que colaboram com a formação da identidade do surdo e do deficiente auditivo ao longo de suas vidas instauram inquietações e reflexões sobre a exclusão de uma porcentagem da sociedade que anseia por acolhimento, diálogo e afetividade.

 

 

 

Dia 14 (sexta) 14h

Performance#1 Café com elas

Camila Venturelli

(Arredores do CRDSP)

Instalada nas ruas do entorno do Centro de Referência da Dança, a performer irá convidar mulheres transeuntes para sentar, tomar café e trocar uma receita. A partir desse assunto inicial, serão convidadas a trocar memórias, gestos e afetos, para continuarem sendo compartilhados com outras mulheres, criando uma rede de cúmplices de saberes.

 

Dia 14 (sexta) 14h

Oficina de Procedimentos praticados “estudos para onipresença”

Joana Ferraz

Durante três encontros, a oficina irá trabalhar fluxos de atenção, interesse e distração, para pesquisar como estar junto com aquilo que nos cerca e nos atravessa. São estudos para construir um tipo de presença, de corpo, de relação, de dança, que nos coloque, ao que nos cerca, em um estado de contemplação e descoberta.

 

Dia 14 (sexta) 15h

Instalação “Eu só não queria ter uma cabeça”

Everton Ferreira e Iolanda Sinatra

Os intérpretes Everton Ferreira e Iolanda Sinatra propõem uma instalação onde o público poderá vivenciar os materiais utilizados no processo de criação do espetáculo "Eu só queria não ter uma cabeça"

A instalação ficará disponível por 4h. 

 

 

Dia 14 (sexta) 15h30

Ocupação ETEC “#Caminhos – Direções de dança, de corpo e movimento”

Mostra de Trabalhos de Conclusão de Curso técnico em Dança - 3ºBD

Os caminhos tomaram forma. O tambor dançou, a ansiedade dançou, a terra, a cidade, os vasos, os sentidos... dançamos até dentro da caixa, de olhos vendados, o balanço saiu do corpo e da mente e foi para papel e nossa legitimação se dá entre nós. O grito saiu. E se eu fosse... o it da coisa?

.Feeling

Intérpretes-Criadores: Amanda Joazeiro, Demétrio Furlan e Larissa Alexandre

.IT: A epifania da Coisa (instalação coreográfica)

Intérpre-criadora: Priscila Queiroz

.Dança para o grito sair

Intérprete-criadora: Monique Tomazi

.Côncavo recipiente

Intérprete-criadora: Andréia Chiovatto

.Quem me legitima?

Intérpretes-criadores: Manuel Victor e William Sampaio

.Gaia
Intérprete-criadora: Laura Bender

.Pré
Intérpretes-criadores: Carol Marcondes, Lucas Matos e Vinicius França

.Eucoa

Intérprete-criadora: Julia Maura

.Fragmentos de tudo

Intérprete-criadora: Larissa Avila

.Entre nós

Intérpretes-criadores: Christina Montenegro e Edson Burgos

.Cor movimento

Intérprete-criador: Samuka Lemos

.Trajetória: em seus próprios rumos

Intérpretes-criadores: Thais Felisbon, Victória Pinheiro e Walter Sousa

 .Orientação: Luiz Anastácio

Orientação de Produção: Carla Lazazzera

 

 

Dia 14 (sexta) 18h30

Intervenção – Projeto Corvo

Marina Matheus e Inés Terra

Marina Matheus e Inés Terra convidam artistas e interessados em geral para integrarem a intervenção sonora que parte de uma pesquisa da dupla sobre mobilidade e vocalidade, na qual busca-se, através da sustentação de um som e uma situação física específica, esculpir espaços internos, delinear formas, deslocar percepções e permanecer. Ativada no saguão do CRD, propõe ouvir outras vozes e tecer possibilidades de existir e resistir.

 

Dia 14 (sexta) 19h

Dança e Corpo Negro na Contemporaneidade

NegraJam – Coletivo Crioulos Cia de Dança | Orientação: Anastácio

Vivência Teórica/Prática do processo coletivo que leva à necessidade de se contar essa história negra, num lugar de autoria individual e coletiva, partindo da premissa que nos indaga a refletir o engajamento do corpo negro nas frentes culturais e suas relações inquietas e dúbias na sociedade contemporânea.

 

Dia 14 (sexta) 19h

Filosofia do Ralo (estreia)

Cadu Ribeiro

Filosofia do Ralo é uma performance de dança que tem como poética o romance filosófico ‘O retrato de Dorian Gray’, de Oscar Wilde. O homem-ralo é figuração performática de um dos personagens do romance de Wilde, Basil, o pintor apaixonado de Dorian, que nesta intervenção se produz como corpo abjeto sobre diferentes espaços. Carregando uma espécie de parangolé de ralos sobre as costas, o artista se locomove com este peso opressor que lhe dá uma corporeidade própria.

 

Dia 15 (sábado) 13h

Lunch Time

Barbara Elias, Joana Ferraz e Marina Matheus

Lunch Time é um espaço de encontro, em que cerca de 20 performers se juntam em torno de um fazer comum, produzindo sinergia através da permanência, em um pacto coletivo: dançar ininterruptamente durante uma hora, ao som de um pulso que está em constante transformação. Ao colocar diferentes ritmos em ressonância uns com os outros, deseja aproximar os mais diversos batimentos cardíacos da dança contemporânea de uma cidade.

 

Dia 15 (sábado) 14h30

Tentativas de Brincar e Atraves(ar)

Grupo de Encantadores

Ar - Uma forma de atravessar nossa condição humana

Estar, Criar, Encantar, Dançar, Jogar, Brincar,

Atravessar, Através Ar, Somente Ar.

O Grupo de Encantadores pesquisa as relações de encantamento existentes na relação entre a dança e o jogo.

O processo faz parte do projeto “O Encantamento da Dança pelo Brincar”, contemplado em 2017, pelo Programa VAI 1.

 

Dia 15 (sábado) 15h

The Visual Moment

B-Side Dance

O movimento visual busca transmitir as ações de um individuo por suas expressões corporais e o modo que enxerga o mundo a sua volta. Esse movimento debate a LGBTfobia, os caminhos e trajetos que um homossexual transita entre a represália familiar, os amigos e romances, até encontrar a sua liberdade. Partindo da dança "The Visual Moment" capta as essências do corpo, da mente e da alma, como um filme, uma música, um coletivo de expressões.

 

 

Dia 15 (sábado) 15h30

Ocupação ETEC  #Caminhos – Direções de dança, de corpo e movimento

Mostra de Trabalhos de Conclusão de Curso técnico em Dança - 3ºBD

Os caminhos tomaram forma. O tambor dançou, a ansiedade dançou, a terra, a cidade, os vasos, os sentidos... dançamos até dentro da caixa, de olhos vendados, o balanço saiu do corpo e da mente e foi para papel e nossa legitimação se dá entre nós. O grito saiu. E se eu fosse... o it da coisa?

 

.Feeling

Intérpretes-Criadores: Amanda Joazeiro, Demétrio Furlan e Larissa Alexandre

.IT: A epifania da Coisa (instalação coreográfica)

Intérpre-criadora: Priscila Queiroz

.Dança para o grito sair

Intérprete-criadora: Monique Tomazi

.Côncavo recipiente

Intérprete-criadora: Andréia Chiovatto

.Quem me legitima?

Intérpretes-criadores: Manuel Victor e William Sampaio

.Gaia
Intérprete-criadora: Laura Bender

.Pré
Intérpretes-criadores: Carol Marcondes, Lucas Matos e Vinicius França

.Eucoa

Intérprete-criadora: Julia Maura

.Fragmentos de tudo

Intérprete-criadora: Larissa Avila

.Entre nós

Intérpretes-criadores: Christina Montenegro e Edson Burgos

.Cor movimento

Intérprete-criador: Samuka Lemos

.Trajetória: em seus próprios rumos

Intérpretes-criadores: Thais Felisbon, Victória Pinheiro e Walter Sousa

.Orientação: Luiz Anastácio

 

Dia 15 (sábado) 19h

Acidentes

Pedro Galiza

Acidentes são lapsos constantes que percorrem o corpo-tempo- espaço, descontinuando movimentos, rompendo as expectativas. Colisões, desmembramentos, fatalidades, fazem ocorrer essa dança da contingência.

 

 

Dia 15 (sábado) 20h

A Leveza de um Homem Só

Kátia Rozatto

Simplicidade, tensão, intenção, leveza, peso, neutralidade, delicadeza; um corpo/bicho/coisa com várias possibilidades de dinâmicas e texturas de movimentação, muito próximos da terra e da nossa própria realidade primitiva e quase rústica. Sem tempo prévio de cada cena (começo) todo o trabalho é voltado para início e recomeço; algumas coisas se repetem outras tomam novos caminhos, mais o eterno retorno é quase que inevitável.

 

 

Dia 15 (sábado) 20h30

Interlocuções poéticas

Dentre Nós Cia de Dança

O trabalho parte do desejo de conversar com novos artistas da dança; de, com seus corpos, expressar sensações, emoções e aflições vivenciadas. Rivaldo Ferreira, diretor da cia., convida outras sete meninas para integrarem um desdobramento de “Cartas à casa de Pó”, contemplada pelo programa VAI / 2016, que discute na cena contemporânea as relações, o afeto, a falta e sua angústias, partindo da pesquisa do corpo feminino e sua inquietações.

 

 

Dia 17 (segunda) 14h

Instalação Infanto – O processo – Websérie e Fotografias

Rumos Cia Experimental

Nesta instalação, o público poderá contemplar o processo da composição coreográfica "Infanto", por meio da Websérie desenvolvida pela Rumos Cia Experimental de Dança, e das fotografias do resultado final, do Coletivo Eixo Quinze.

 

 

Dia 17 (segunda) 16h

Roda de Conversa Sobrevivendo sem Edital 

Ouvindo Passos Cia de Dança

Como fortalecer as produções das companhias independentes de Dança? A Ouvindo Passos Cia de Dança convida a(o)s residentes do CRD para refletir a respeito de propostas de ações de sobrevivência de companhias  de danças independentes quando não se dispõem de verbas de editais públicos. 

 

Dia 17 (segunda) 18h

Oficina de Dança Moderna e BMC®

Luciana Hoppe (Vereadoras Antropófagas)

A oficina pretende desenvolver a expressividade e criatividade a partir de técnicas da dança moderna, associadas ao Body- Mind Centering®. As técnicas são utilizadas no estudo de princípios básicos de movimento, como queda e recuperação, rolamentos e saltos, com o objetivo de ampliar os repertórios corporais, bem como, estimular a apropriação sensível e criativa do movimento. Tem por base, a técnica desenvolvida por Alwin Nikolais.

 

Dia 17 (segunda) 19h

Boi da Cara Preta

Djalma Moura (Coletivo Desvelo)

“Boi da Cara Preta” escava estratégias de embate para corromper as normatividades da vida contemporânea, criando fissuras entre mundos para promover a volta à ancestralidade. O trabalho, em processo, tem como foco de investigação criar uma presença de resistência, partindo da memória ancestral, para incorporar em sua matéria o devir-animal. Trata-se de permitir a dança em suas transformações diretas e indiretas, ocasionadas por "forças invisíveis" que impulsionam o caminhar da dramaturgia.

 

Dia 17 (segunda) 19h

Acidentes

Pedro Galiza

Acidentes são lapsos constantes que percorrem o corpo-tempo- espaço, descontinuando movimentos, rompendo as expectativas. Colisões, desmembramentos, fatalidades, fazem ocorrer essa dança da contingência.

 

 

Dia 18 (terça) 13h30

Oficina Intrapelícula: Procedimentos de Criação

Coletivo Elástica

Conduzida pelos artistas do Coletivo Elástica, Mariana Costa e Larissa Ballarotti (diretoras/performers) e Daniel Conti (músico/compositor), a oficina objetiva compartilhar procedimentos para a criação da performance “Intrapelícula”, prevista para estrear no segundo semestre de 2017. Pesquisa das relações entre dança e arquitetura, “Intrapelícula” propõe a criação de ficções a partir da relação entre corpo, som e projeções de fotografias stop-motion.

 

 

Dia 18 (terça) 15h

Entre (em) nós

Laísa Forquim

Uma pesquisa em dança que tem como tema principal a relação da intérprete com os

moradores de rua e ocupações; uma reflexão sobre as responsabilidades que cada um tem sobre estas pessoas em situação de risco. Busca abrir uma discussão sobre a relação consigo, com o outro e com o todo. Após a apresentação, uma roda de conversa para compartilhamento da experiência artística.

 

Dia 18 (terça) 15h

Procedimentos de Investigação: Abordagem Somática e a Expressão Cênica

Núcleo Mórula

A oficina desenvolverá procedimentos fundamentados na Abordagem Somática como um caminho de investigação para expressão cênica. Trata-se de um compartilhamento de pesquisa do projeto Zênite, das artistas Alexandra Tavares e Laura Moreira, do Núcleo Mórula, que investigou o tema ‘Depressão’.

 

Dia 18 (terça) 16h

Espetáculo “O que restou do branco”

Coletivo Ana Maria Amarela

O Coletivo Ana Maria Amarela pretende sujar, literalmente, um dos símbolos  máximos da família heteronormativa tradicional: o vestido de noiva. Tendo a imagem da noiva como emblema de uma família regida por preceitos morais, moralistas e moralizantes, o espetáculo transborda em movimentos, questões de gênero, empoderamento das lutas LGBTQs e questionamentos desse branco soberano.  Através do encontro com o público, o grande símbolo de pureza familiar é alterado. Afinal, quem, por livre e espontânea vontade, mancharia sua própria imagem?

 

 

Dia 18 (terça) e 20/07 das 19h às 21h

Oficina Produção Executiva

Kelson Barros

Produtor Executivo é o profissional que organiza, planeja, orienta e acompanha todas as fases da realização de um projeto/ evento de qualquer natureza. Cabe ao produtor gerenciar todos os serviços necessários para cada evento, fazer cumprir o cronograma, resolver eventuais problemas de última hora, além da montagem e desmontagem dos locais de produção. Com foco na prática, a oficina pretende também orientar a formatar projetos, entrar em contato com programadores e curadores e vender um espetáculo.

Kelson Barros Diretor Executivo da Cazumbá Produções Artísticas, cursa Dança e Movimento na Universidade Anhembi Morumbi. Iniciou sua carreira em produção em 2004, na Abaçaí Cultura e Arte – Organização Social da Secretaria de Estado da Cultural, onde produziu o “Revelando São Paulo” – Capital e Regional. Produziu vários projetos e Festivais. Atualmente, é produtor do Grupo Zumb.boys (Fomento à Dança 2014 e 2016 e Proac Cultura Negra 2015), Grupo Gumboot Dance Brasil (ProAc Criação 2015) e Coletivo CO.

 

 

Dia 18 (terça) 19h

Micromovimentos Dança&Cinema

​Tatiana Guimarães

Concebida nas eleições de 2014, quando o país se deparou com um aumento brutal da xenofobia contra os nordestinos, a intervenção urbana de dança, acompanhada por curtas documentais, música ao vivo e lambe-lambe, faz paralelos entre a crise política brasileira, que culmina no golpe de 2016, e uma história autobiográfica da artista Tatiana Guimarães, através do viés xenofóbico que acompanha ambas as situações.

O projeto foi contemplado pelo prêmio Klauss Vianna/2014 e teve sua montagem em 2016.

 

 

Dia 18 (terça) 20h

Entre (em) nós

Laísa Forquim

Uma pesquisa em dança que tem como tema principal a relação da intérprete com os

moradores de rua e ocupações, uma reflexão sobre as responsabilidades que cada um tem sobre estas pessoas em situação de risco. Busca abrir uma discussão sobre a relação consigo, com o outro e com o todo. Após a apresentação, uma roda de conversa para compartilhamento da experiência artística.

 

 

Dia 19 (quarta) 19h

Oficina de Compartilhamento do processo criativo de “Tentação de Ser muito Feliz”

Terceira Categoria

A companhia compartilha algumas ignições e potências que surgiram durante o processo criativo do seu primeiro trabalho, “Tentação de ser muito feliz”, que tenta entender e reconhecer o próprio corpo a partir de propostas que emergem das danças populares, inclusive o forró. A experiência será ministrada por Tayara Galvão.

 

 

Dia 19 (quarta) 19h

Roda de Conversa – Proseando com a Vênus

Núcleo Vênus Negra

O Núcleo Vênus Negra convida a todxs para participarem do quarto ciclo “Proseando com a Vênus” – rodas de conversa sobre o corpo e suas relações com as variadas linguagens artísticas, pela perspectiva de artistas negrxs de diferentes segmentos. Nesse terceiro encontro, Danna Lisboa e Inaiá Araújo são as convidadas que partilharão suas experiências no campo da Música.

Danna Lisboa – artista multidisciplinar, é cantora, dançarina, performer e mulher trans batendo de frente com o preconceito. Sua voz de timbre grave levanta rimas lacradoras e engajadas, contra o preconceito e machismo. Recebeu o prêmio de “Melhor Atuação” no 8º Filmworks Festival, pelo curta “Cidade Neon”, em São Paulo.

Inaiá Araújo – Arte Educadora, contadora de história e pesquisadora de ritmos, com vasta atuação na cultura popular, passou por grupos como o Ilu Obá De Mim, sendo regente do naipe de Xequeres, e como ritmista no Afoxé Omo de Dada. Atualmente, desenvolve o projeto “Praticas musicais, da Cabaça aos Sons do Xequeres”.

 

 

Dia 20 (quinta) 19h

Ensaio Aberto Oba nu Mun

Lúcia Kakazu

(Bate-papo com mediação de Nina Giovelli)

“Oba nu Mun”, que em Uchinaguchi, língua tradicional de Okinawa, significa “Coisas da Avó”, é uma dança que busca no fluxo uma estratégia de ser. Parte de objetos, registros e relatos de memórias de uma avó, natural de um Japão Pós-Guerra. O corpo se torna memória de um tempo: nabos secando ao sol, a textura da parede no quintal, pés descalços que avançam como raízes, o butsudan, a canção de ninar, o jardim e as plantas. “Oba nu Mun* é a tentativa de diálogo que se constrói na presença virtual de um corpo ausente, um aceno em direção ao vazio. A dança, então, nascerá desse vazio, nesse espaço MA onde cabe uma relação.

 

 

Dia 20 (quinta) 20h

Dois atos sem palavras

InVerso cia de dança

Poética dançante inspirada em Beckett, “Dois atos sem palavras” traz uma nova roupagem para o universo do teatro do absurdo de um dos maiores dramaturgos do século XX. Nesta investigação cênica, a Cia buscou, por meio de ações propostas pelo absurdo beckettiano, sensações inesperadas, traduzidas pelos sentimentos de desolação, aprisionamento, solidão, incerteza, ilogicidade e incomunicabilidade.

 

 

 

Dia 21 (sexta) 15h 

Abertura de Processo - UrbanFeral : Espécies InDifference

Núcleo de Improvisação em Contato

 

(Colaboradores Fomento)

“Agora percebo o que deixamos de lado por sermos civilizados e humanos.

Também precisamos do outro” (do ‘primitivo’ Oliver Sack)

A partir do olhar para os comportamentos animais que fogem do projeto de "civilização humana", UrbanFeral traz o olhar para os próprios comportamentos humanos. O projeto de civilização que, em última instância, opera no sentido de dar fim às diferenças submeteu tudo que habita em torno do homem a um processo de padronização. E quem é esse humano que obriga e submete? Quais seriam as outras humanidades soterradas pela história oficial de nossa cultura? Quais narrativas de humanidades nossa sociedade deixa para traz em prol do ideal de outra evolução e progresso? 

 

Projeto contemplado pelo 21º Fomento à Dança para a cidade de São Paulo.

 

 

Dia 21 (sexta) 17h

Díade

Thais Ponzoni e Romulo Alexis

Confluência das pesquisas de Thais Ponzoni (artista do corpo) e Romulo Alexis (artista sonoro), em uma intervenção urbana performática. O trabalho realiza uma composição feita de contrastes gerados através do conceito de Díade, elemento radical bivalente. Diante dos riscos da zona de contágio formada por arquiteturas, tempo, corpo e som, a Díade propõe interrupções de processos mecânicos no cotidiano, promovendo cortes do/no tempo em espaços de fluxos.

 

 

Dia 21 (sexta) 18h30

Oficina de Dança Clássica Indiana – Bharatanatyam

Acharya e Chandra

A oficina propõe uma experienciação em Bharatanatyam, Dança Clássica Indiana, acompanhada de demonstração das coreografias que o duo trabalhou durante a residência no CRDSP. A aula abordará: breve introdução teórica sobre a origem da Dança Indiana; Hastas ou Mudras (configuração simbólica das mãos); Parampará (sucessão discipular) – relação com o Guru (professor) e o aprendizado da dança; introdução aos primeiros grupos de movimentos: Tatas e Natas; aprendizado de uma coreografia.

 

 

Dia 21 (sexta) 19h

Performance #2 Modos de fazer

Camila Venturelli

Desdobramento da ‘Performance #1 Café com elas’ (dias 10, 12 e 14, às 14h),  em que a performer convida mulheres transeuntes das ruas do entorno do CRD para sentar, tomar café e trocar uma receita, Performance #2 utilizará o material angariado para compor uma massa coreográfica de diversos femininos, a ser manuseada pela bailarina nesse experimento aberto no CRD.

 

 

Dia 21 (sexta) 19h30

Experimento 1 – Terra

Coletivo Ruínas

“O Gesto Secreto da Terra” é uma criação coreográfica em 5 atos, onde os dançarinos interagem com um grande pedaço de papel, transformando, a cada ato, sua topologia e imprimindo sobre ele as forças ativas do que chamamos de progresso. Invoca-se à superfície da terra a solidez da rocha para criar, em um paralelo com os ossos [estruturas edificantes do corpo], uma dança de embate, de tremores, repouso, quedas, desmoronamentos, perfurações, rasgos e irrupções; relações simbolicamente atreladas a forças geofísicas [inorgânica e orgânica], em uma teia compositiva de criação simultânea com a música e o audiovisual.

 

 

Dia 22 (sábado) 14h

Roda de Conversa – Saindo do armário: um bate-papo sobre sexualidade e homofobia – Coletivo de Sonhos

(Colaboradores Proac Manifestações Culturais com Temática LGBT)

O terapeuta ocupacional Aryel Ken Murusaki e o Coletivo de Sonhos realizam essa palestra com o objetivo de transmitir conceitos sobre História da Sexualidade, Diversidade Sexual, Preconceito e Homofobia. Ao término do bate-papo, público e palestrante discutem os assuntos abordados.

 

 

Dia 22 (sábado) 14h

Processos de criação em Dança: Teoria e prática

IN-Verso cia de dança

Neste workshop, a IN-Verso cia de dança propõe possibilidades de se empreender processos de criação em dança, a partir de um encontro teórico-prático, que visa refletir sobre o tema, além de proporcionar experiências práticas de criação.

 

 

Dia 22 (sábado) 15h

Oficina de dança contemporânea

João Pirahy (Coletivo de Sonhos)

(Colaboradores Proac Manifestações Culturais com Temática LGBT)

A oficina, ministrada pelo professor de Dança Contemporânea e coreógrafo João Pirahy, tem como objetivo transmitir a didática de trabalho, criação e dramaturgia da companhia Coletivo de Sonhos. Na aula serão abordados exercícios de chão, consciência corporal, jogos de improviso e construção de célula coreográfica.

 

 

Dia 22 (sábado) 19h

Cartas à casa de Pó

Dentre Nós Cia de Dança

O trabalho parte da investigação da peça de teatro “A casa de Bernarda Alba”, do escritor Frederico Garcia Lorca. Na pesquisa, o corpo invade o pensamento e o surreal intervém no presente, rodeado por momentos e sensações de cada intérprete que busca investigar na cena estes estados e dinâmicas corporais.

 

 

Dia 22 (sábado) 20h

Pés Nas Veredas – A Que Corpo Pertence...

Khrônus Cia de Dança

Os bailarinos-intérpretes se encontram para expandir uma trajetória a partir

dos pés. Com a dança, esse momento se dá através da experiência em trabalhar com calçados, texturas e a energia que emana da terra, revelando histórias e trajetórias do corpo aos quais pertencem.

 

 

Dia 24 (segunda) 19h

Ensaio aberto ​“Dellas17”

Dani de Moraes e Layla Bucaretchi

Inspirado no universo da cantora pop britânica Adele, “Dellas17” mergulha sobre as práticas de construção e circulação da imagem nos dias de hoje. Indo do imaginário conceitual do PopArt aos novos lugares assumidos pela indústria da imagem na era digital, o trabalho procura, na combinação fina do humor, refletir sobre a vida das imagens: o caminho que elas percorrem do momento da criação até suas mais diversas apropriações.

 

Dia 24 (segunda) 19h30

Estudo #2 (certas) urgências

Bia Rangel

Pelos vagões, passagens, acessos, corredores, passarelas, escadas rolantes, portas automáticas, catracas, vãos, terminais, plataformas, calçadas, ruas, passo, passo, passo... E ficam algumas memórias de ter me movido pela cidade, permeada de urgências, reais e fictícias. Coreografo e sou coreografada.

“O sobressalto tece a experiência – tanto a coletiva como a individual. Acusamos

o impacto nas nossas vísceras, o sentimos na ansiedade misturada aos goles

de café, mas não somos capazes de dimensionar.”

Eliane Brum (Cotidiano e Exceção)

 

 

Dia 25 (terça) 18h

II Experimento Cênico Entre Escritas e Danças

Bia Rangel

Residentes do Centro de Referência da Dança abrem os cadernos de anotações que acompanham seus processos de criação em dança, selecionam páginas e fragmentos. Esse é o ponto de partida para um jogo. Ele acontece no encontro entre escrita, voz e corpos que se põem em escuta, improvisam e transcriam peças, tendo como estímulo registros, notas, traços, pensamentos, memórias, referências, grafias das criações uns dos outros.

 

 

Dia 25 (terça) 18h30

Oficina Dança e Improvisação: estratégias para o encontro

Marcus Moreno

Destinada a todos os que estão interessados em investigar o movimento a partir de suas experiências individuais, a oficina "Dança e Improvisação: estratégias para o encontro" deseja abrir espaço para o estudo da improvisação cênica, a partir de temas presentes na Técnica Klauss Vianna e da ideia de um corpo que se constitui e se transforma na urgência da ação de dançar.

 

 

Dia 26 (quarta) 19h

Lilá, a Travessia

Sol Ayo Bentto

(Colaboradores PROAC primeiras obras)

“Lilá, a Travessia” é processo, desejo, angústia e libertação. Sol Ayo Bentto dança suas mulheres ancestrais, corporificando cantos, encantos, curvas, pintas e pontos. O corpo não é só corpo; carrega memórias subjetivas, universais, espirituais e marcas que atravessam o tempo. Carrega no seu Ori essas divindades - mulheres d'Africa, mulheres daqui.

 

 

Dia 26 (quarta) 20h

Vênus Negra – Um manual de como engolir o mundo!Estréia

Zona Agbara

(Colaboradores PROAC)

Singela homenagem à Saartjie, a Vênus Negra, mulher africana que há dois séculos foi exibida em uma jaula na Europa, por ter proporções avantajadas, o espetáculo propõe exorcizar a condição vivida por ela, transpondo essa problemática para o nosso tempo. Quatro corpos que se desnudam e se lançam na experiência singular de traduzir os processos que tangem suas existências e suas relações sociais. Vênus Negras de hoje, do agora e do depois. Pretas e gordas no afronte, como pontas de lança que sangram, mas deixam marcas fincadas na terra, engolem o mundo e os resquícios da perversidade humana, e regurgitam simbologias de resistência e, assim, dançam.

  

 

Dia 27 (quinta) 14h

Oficina Danças da Diáspora: entre o Oriente e o Ocidente - Andrea Albergaria e Fernanda Preta

A oficina explora técnicas básicas da dança clássica indiana Odissi (Andrea Albergaria) e princípios do movimento da dança contemporânea de matriz ocidental (Fernanda Preta). Ao final do trabalho, será criada uma composição instantânea, conduzida a partir das ferramentas do improviso em cena e das contaminações entre as duas técnicas.

Público-alvo: interessados em geral, dançarinos, performers, atores, artistas, estudantes e pesquisadores, acima de 16 anos.

Duração: 4 horas

 

Dia 27 (quinta) 19h

Cada cabide, uma sentença

Entre Elas Coletivo

Qual a relação tecida entre mulheres, roupas e imagens? Tudo está revestido de tensões/intensões e bordados a conflitos. A roupa é uma saída? Entre Elas Coletivo discute, pela ação performática, o que as roupas falam às mulheres, pelas mulheres ou sobre as mulheres.

 

 

Dia 27 (quinta) 20h

Vênus Negra – Um manual de como engolir o mundo!

Zona Agbara

Singela homenagem à Saartjie, a Vênus Negra, mulher africana que há dois séculos foi exibida em uma jaula na Europa, por ter proporções avantajadas, o espetáculo propõe exorcizar a condição vivida por ela, transpondo essa problemática para o nosso tempo. Quatro corpos que se desnudam e se lançam na experiência singular de traduzir os processos que tangem suas existências e suas relações sociais. Vênus Negras de hoje, do agora e do depois. Pretas e gordas no afronte, como pontas de lança que sangram, mas deixam marcas fincadas na terra, engolem o mundo e os resquícios da perversidade humana, e regurgitam simbologias de resistência e, assim, dançam.

 

 

Dia 28 (sexta) 16h

Ação Coletiva – Jam na Praça

Ação proposta e realizada pelos artistas residentes do CRDSP, onde uma grande improvisação de dança coletiva acontece na Praça Ramos de Azevedo e suas intermediações ao som do grupo afro Ilú Obá de Min.

 

Dia 28 (sexta) 16h

Compartilhamento de pesquisa – Partilha do meu cu
T. Angel

Depois de uma primeira edição em Brasília, T. Angel faz partilha, em São Paulo, do processo criativo do trabalho “Fluido”, desenvolvido durante a residência artística da Plataforma Exercícios Compartilhados, com orientação de Adriana Grechi. “Fluido” investiga as relações éticas, místicas e estéticas das figuras monstruosas, amparado no imaginário da ficção científica. É uma instigação, um problema. Nesse sentido, existe uma busca do encontro de fissuras no tempo e espaço, que desenvolva uma realidade que seja exterior, extra, ordinária.

 

 

Dia 28 (sexta) 19h

Sismos e Volts

Leandro de Souza

“Sismos e Volts” examina as condições nas quais são forjadas corporalidades, gestos e movimentos. Observa as coreografias que nos coreografam. Transita por territórios voluntariosos e precários. 

 

Dia 28 (sexta) 19h30

Besta

Joana Ferraz

Besta é um galho de árvore, um tronco úmido, um pedregulho, uma pelúcia, eu, você, a lona, o chão, o peso das coisas no chão. As coisas. O nome de cada coisa. Existência com existência. Distraídos. Um estudo da contemplação. Uma revolução. 

"Estarei aqui, pesarei sobre o assoalho. Eu sou.” (J.P. Sartre, no livro A Náusea).

 

 

Dia 31 (segunda) 14h

Compartilhamento de preparação corporal

Cia Anikaya Dance Theater BR

O encontro abordará a sensibilização do corpo, o redirecionamento ósseo dos movimentos através da respiração e exercícios articulares com abordagens somáticas, como Yoga, Pilates, Liang Gong e a "kalaripayattu", arte marcial indiana transmitida por Wendy Jehlen (diretora e coreógrafa da Cia).

 

 

Dia 31 (segunda) 19h

Estudo para o Encontro

Marcus Moreno

(Colaboradores Proac)

 

‘Estudo Para o Encontro’ parte de temas corporais concretos para a criação de imagens sensoriais. A partir de combinações do corpo e de suas singularidades, dança, música e luz se reúnem para a invenção de encontros possíveis. No trabalho, que conta com colaboração cênica de Key Sawao, Marcus Moreno divide o palco com o músico Moisés Mendoza Baião, que acompanha e participa da performance numa concepção cênica construída do diálogo entre os corpos.

Contemplado pelo Programa de Apoio à Cultura (PROAC) do Governo do Estado de São Paulo, edição de 2016, A concepção de luz é de Calu Zabel.

 

 

CRD Circula

Dia 3/07 (segunda) a 20/07 (quinta) 17h

Passagem Literária da Consolação

Exposição “Da substância do conto à substância do corpo” e

Performance “Das Gamelas”

Dalila Cruz (Residentes CRDSP)

 “Da substância do conto à substância do corpo” apresenta, em 12 imagens, a trajetória de um ano de pesquisa (de janeiro a dezembro de 2016), de Dalila Cruz, para a composição coreográfica “Das Gamelas”, sobre  o fazer do polvilho em Casas de Farinha. As fotos ilustram a pesquisa corpórea; a abertura do processo no “Tubo de Ensaio” e vivências no período de residência no CRDSP, onde a artista teve a oportunidade de experimentar, registrar e consolidar seu trabalho, apresentado à Banca Examinadora do TCC universitário.

 

Dia 4/07 (terça) 10h

Parque da Água Branca

Oficina Como e o que o corpo filtra

Outro, Outra Cia de Dança

Compartilhamento de procedimentos utilizados como investigação, integrando discussões políticas atuais e conteúdos corporais, experimentados a partir do tema
disparador “Como e o que o corpo filtra”. Uma pesquisa em espaço aberto, com
estudo de jogos de improvisação e da abordagem somática como dispositivo de
criação na dança.

 

Dia 5/07 (quarta) 10h

Centro Cultural da Juventude “Ruth Cardoso”

Oficina Pisadas e Trupés – Movimentos das Ruas

Goma Cia de Dança

A Goma Cia de Dança inicia uma sequência de vivências que propõe o diálogo entre artistas que praticam e investigam as danças das e nas ruas. A vivência começa com o partilhamento do House Dance, pelo convidado Osmar Fusion. Nessa oficina, Priscila Paciência e Mika Rodrigues (integrantes da companhia) trazem uma proposta de diálogo corporal entre a dança do Cavalo Marinho e o House Dance. Como nas sambadas de Cavalo Marinho e nos bailes de House Dance nossa caminhada inicia com a pisada forte no chão e a apreciação dessas corporalidades dançantes das artes populares.

 

Dia 7/07 (Sexta) 13h30

Centro Cultural da Juventude “Ruth Cardoso”

Workshop Dança Contemporânea – Sob a Pele

Dias & Cia

A oficina trata da movimentação utilizada nos espetáculos da Dias & Cia. Parte da dança contemporânea, com profunda conexão com a música e atenção aos gestos como parte da composição coreográfica. A linguagem corporal do coreógrafo Edgar Dias recebe influência do trabalho do Grupo Corpo (companhia onde dançou por 10 anos), de certos elementos das danças brasileiras e também de fundamentos utilizados pela coreógrafa americana Carolyn Carlson, como energia, tempo, espaço, presença e improvisação.

 

 

Dia 7/07 (sexta) 15h

Sob a Pele

Dias & Cia

Relações humanas que nascem e crescem a despeito da cor da pele, gêneros, orientações sexuais, classes sociais, etnias, religiões. É disso que “Sob a Pele” busca tratar: relações livres de preconceitos, que se deixam ser atravessadas e nutridas pelas diferenças, se fortificam pela diversidade e ganham sentimentos intensos.

 

Dia 8/07 (sábado) 16h às 19h

Teatro de Conteiner Mugunzá

JAM de Contato Improvisação

Cléia Plácido (Cia ID’Artê)

Encontro para a prática de Contato Improvisação, o termo JAM foi criado pelos músicos de Jazz (Jazz After Midnight) e apropriado pelos artistas do Contato Improvisação, no início do anos 70, nos EUA. As JAMs tomaram uma dimensão artística, política e social de questionamentos morais e de comportamento e, no Brasil,  tornou-se um encontro aberto a bailarinos e não bailarinos, atores, músicos e pessoas em geral com experiências corporais distintas.

 

 

Dia 8/07 (sábado) 15h

Centro Cultural da Juventude “Ruth Cardoso”

Linha 4

NaCia Odete Dança

“Linha 4” é uma criação de dança-performance inspirada na movimentação caótica de pessoas que circulam pela linha amarela do metrô de São Paulo. Em diálogo com multilinguagens e sonoridade peculiar, o trabalho se desenvolve a partir de único trajeto onde, por repetidas vezes, se constroem relações conexas e desconexas sob o olhar da aparente solidão, dos diálogos banais, das interferências tecnológicas e do distanciamento da potente tecnologia humana existente nas culturas primitivas, ainda ignorada.

 

 

Dia 14 (sexta) – 17h

Folha [trans-missão] – Intervenção Urbana

Rua da Consolação

Coletivo Ruínas

Folha [trans-missão] é intervenção de dança, música, streaming e cinema. Em um plano seqüência, com transmissão ao vivo pela internet e projeção no CRD acontecendo simultaneamente, o Coletivo Ruínas descerá em fluxo a avenida Consolação, partindo da avenida Paulista, e chegando ao jardim da praça Roosevelt. A ação pretende acontecer nas calçadas e nos sítios de demolição que existem ao longo do trajeto, delirando a co-existência urbana de forças da natureza em relação à força vertical das construtoras e incorporadoras.

 


Telefone: (11) 3214 3249

Email: centrodereferenciadadancasp@gmail.com

Endereços: Baixos do Viaduto do Chá s.n., Galeria Formosa – Centro - CEP 01037-000 São Paulo/SP

Horário de Funcionamento
Segunda-feira: 13:00 às 21:00
Terça à Sexta: 10:00 às 21:00
Sábado: 10:00 às 20:30
 
Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo